FRATURA DE MANDÍBULA POR TRAUMA AUTOMOBILÍSTICO: RELATO DE CASO

Autores

  • Any Caroliny de Souza Vaz Universidade Brasil
  • André Luis da Silva Fabris Universidade Brasil

DOI:

https://doi.org/10.51891/rease.v8i7.6317

Palavras-chave:

Trauma Facial. Buco-maxilo-facial. Cirurgia.

Resumo

Os traumas apresentam grande impacto na sociedade atualmente, segundo a organização mundial de saúde os traumas estão entre as principais causas de morte e morbidade. O traumatismo na região da face pode afetar desde a pele, planos gordurosos, musculares, neurovasculares, ósseos e até estruturas encefálicas, dependendo da energia cinética envolvida no trauma. Este trabalho tem como objetivo relatar um caso clinico de uma vitima de acidente automobilístico, a fim de descrever o manejo a estes pacientes na emergência e a importância da presença do cirurgião buco maxilo facial na equipe multidisciplinar. Paciente do gênero feminino, com 21 anos de idade, leucoderma, apresentou-se a santa casa de Araçatuba/SP após sofrer acidente automobilístico há 4 dias. Durante o exame físico extra oral observou-se equimose e edema em região de ângulo mandibular esquerdo e  abertura limitada de boca. O tratamento proposto foi a redução e fixação das fraturas com placas e parafusos do sistemas 2.0. Diante disto, pode-se concluir que em vista da alta prevalência e incidência dos traumatismos faciais, é preciso ter uma clara compreensão dos padrões das lesões que acometem a face.

Biografia do Autor

Any Caroliny de Souza Vaz, Universidade Brasil

Graduação em Odontologia. Universidade Brasil.  E-mail: Anycaroliny901@gmail.com

André Luis da Silva Fabris, Universidade Brasil

Doutorado em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial. Faculdade de Odontologia de Araçatuba - FOA/UNESP. Andre.fabris@hotmail.com.

Downloads

Publicado

30/07/2022

Como Citar

Vaz, A. C. de S. ., & Fabris, A. L. da S. . (2022). FRATURA DE MANDÍBULA POR TRAUMA AUTOMOBILÍSTICO: RELATO DE CASO. Revista Ibero-Americana De Humanidades, Ciências E Educação, 8(7), 842–850. https://doi.org/10.51891/rease.v8i7.6317