PANORAMA EPIDEMIOLÓGICO DA HISTERECTOMIA VAGINAL NO RIO DE JANEIRO NOS ÚLTIMOS 5 ANOS

Autores

  • Letícia Soares Fonseca Universidade de Vassouras
  • Julia da Silveira Pacheco Ferraz Universidade de Vassouras
  • Marina Cavalcanti Rodrigues de Aguiar Universidade de Vassouras
  • Luisa de Moura Matioli Universidade de Vassouras
  • Maria Eduarda Guedes Peixoto Universidade de Vassouras
  • Osvaldo Luiz Aranda Universidade de Vassouras

DOI:

https://doi.org/10.51891/rease.v8i8.6497

Palavras-chave:

Histerectomia. Histerectomia vaginal. Cirurgia ginecológica.

Resumo

A histerectomia é a segunda cirurgia ginecológica não obstétrica mais comum na população feminina onde é realizada a remoção do útero por consequência a algumas patologias como os miomas uterinos, prolapso de órgão pélvico, sangramento uterino anormal, câncer uterino e adenomiose. Existem diversas abordagens para a realização deste procedimento cirúrgico dentre elas a via abdominal e a via vaginal. O objetivo do presente estudo foi analisar alguns aspectos relacionados à internação para realização de histerectomia vaginal, no estado do Rio de Janeiro, durante o período de novembro de 2015 até novembro de 2020. O estudo é do tipo observacional, transversal e retrospectivo através de um levantamento de dados do Departamento de Informação e Informática do SUS (DATASUS) durante os últimos cinco anos no Rio de Janeiro. Os dados coletados foram a quantidade de internações por ano da histerectomia vaginal, o custo médio de cada internação e sua duração média. Os resultados encontrados foram de um total de 2187 internações para histerectomia vaginal no período e região citados, sendo o gasto médio de cada internação de R$558,84 e o tempo médio da internação de 3,4 dias. Com o presente estudo foi possivel destacar as vantagens da abordagem vaginal comparada as outras abordagens de histerectomia, e que esta deve ser mais estudada e disseminada entre os cirurgiões ginecológicos.

Biografia do Autor

Letícia Soares Fonseca, Universidade de Vassouras

Discente do Curso de Medicina da Universidade de Vassouras, Vassouras, Rio de Janeiro, Brasil. E-mail: universidadedevassouras.edu.br.

Julia da Silveira Pacheco Ferraz, Universidade de Vassouras

Discente do Curso de Medicina da Universidade de Vassouras, Vassouras, Rio de Janeiro, Brasil.

Marina Cavalcanti Rodrigues de Aguiar, Universidade de Vassouras

Discente do Curso de Medicina da Universidade de Vassouras, Vassouras, Rio de Janeiro, Brasil.

Luisa de Moura Matioli, Universidade de Vassouras

Discente do Curso de Medicina da Universidade de Vassouras, Vassouras, Rio de Janeiro, Brasil.

Maria Eduarda Guedes Peixoto, Universidade de Vassouras

Discente do Curso de Medicina da Universidade de Vassouras, Vassouras, Rio de Janeiro, Brasil.

 

 

 

Osvaldo Luiz Aranda, Universidade de Vassouras

Doscente do Curso de Medicina da Universidade de Vassouras, Vassouras, Rio de Janeiro, Brasil.

 

 

Downloads

Publicado

31/08/2022

Como Citar

Fonseca, L. S. ., Ferraz, J. da S. P. ., Aguiar, M. C. R. de ., Matioli, L. de M. ., Peixoto, M. E. G. ., & Aranda, O. L. . (2022). PANORAMA EPIDEMIOLÓGICO DA HISTERECTOMIA VAGINAL NO RIO DE JANEIRO NOS ÚLTIMOS 5 ANOS. Revista Ibero-Americana De Humanidades, Ciências E Educação, 8(8), 783–791. https://doi.org/10.51891/rease.v8i8.6497

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)