MORTALIDADE FEMININA POR AGRESSÃO: UMA ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA NO ESTADO DO MARANHÃO

Autores

  • Cynthia Garcia Vieira Faculdade São Leopoldo Mandic
  • Luciane Zanin Faculdade São Leopoldo Mandic
  • Flávia Martão Flório Faculdade São Leopoldo Mandic
  • Jacileide de Jesus da Cruz Faculdade São Leopoldo Mandic

DOI:

https://doi.org/10.51891/rease.v7i10.2765

Palavras-chave:

Mortalidade feminina. Mortes por agressão. Feminicídio. Violência.

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo analisar a mortalidade feminina por agressão no estado do Maranhão, bem como a tendência deste perfil após a vigência da Lei do Feminicídio, Lei 13.104/2015, no período de 2012 a 2018. A base de dados secundários foi o Sistema de Informação sobre Mortalidade – SIM, e Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde – DATASUS. As variáveis relacionadas ao perfil da vítima foram idade (>10,< 60); cor da pele (branca, preta, amarela, parda, indígena); causa do óbito; local (hospital ou outro estabelecimento de saúde, domicílio, via pública, outros); Também foram considerados dados socioeconômicos, estado civil, escolaridade, ocupação. Quanto à análise descritiva dos dados, o teste qui-quadrado foi utilizado para comparar o total de casos notificados comparando-os antes e após a implementação da Lei nº 13.104/2015. Quanto à análise da associação das variáveis do estudo, foi aplicado o teste exato de Ficher. As informações obtidas irão fomentar plano de ação para combate a violência contra mulher e ao feminicídio. Os resultados demonstram que neste estado (Maranhão), a maior porcentagem de óbitos foi em mulheres com idades entre 20 e 39 anos (60,2% das mortes no período), que as principais vítimas foram mulheres de cor parda (72,3%) e solteiras (65,5%), o que sugestiona relação com situações de violência doméstica e familiar contra a mulher.

Biografia do Autor

Cynthia Garcia Vieira, Faculdade São Leopoldo Mandic

Mestranda em Saúde Coletiva – Faculdade São Leopoldo Mandic, Campinas - SP. E-mail: cyndygvieira@hotmail.com.

Luciane Zanin, Faculdade São Leopoldo Mandic

Doutora em Odontologia, área de concentração em Cariologia - Faculdade de Odontologia de Piracicaba- FOP- Unicamp - SP. Professora do Departamento de Saúde Coletiva - Faculdade São Leopoldo Mandic, Campinas - SP. ORCID: http://orcid.org/0000-0003-0218-9313. E mail: luciane.souza@slmandic.edu.br

Flávia Martão Flório, Faculdade São Leopoldo Mandic

Doutora em Odontologia, área de concentração em Cariologia - Faculdade de Odontologia de Piracicaba- FOP- Unicamp- SP.  Professora do Departamento de Saúde Coletiva - Faculdade São Leopoldo Mandic, Campinas - SP. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-7742-0255 E-mail: flavia.florio@slmandic.edu.br.

Jacileide de Jesus da Cruz, Faculdade São Leopoldo Mandic

Mestrado em Saude Coletiva – Faculdade São Leopoldo Mandic, Campinas - SP.

Downloads

Publicado

04/11/2021

Como Citar

Vieira, C. G. ., Zanin, L. ., Flório, F. M. ., & Cruz, J. de J. da . (2021). MORTALIDADE FEMININA POR AGRESSÃO: UMA ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA NO ESTADO DO MARANHÃO. Revista Ibero-Americana De Humanidades, Ciências E Educação, 7(10), 2148–2161. https://doi.org/10.51891/rease.v7i10.2765