A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA TRADICIONALISTA NO ENSINO DE BASE E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA A FORMAÇÃO CRÍTICA E PSICOSSOCIAL

Autores

  • Iana Sara Silva de Alencar UNIVERSIDAD DE CIENCIAS  EMPRESARIALES Y SOCIALES (UCES)

DOI:

https://doi.org/10.51891/rease.v7i6.1422

Palavras-chave:

Método Tradicionalista. Ensino-Aprendizado. Integração Educacional. Manifestações Psicossociais.

Resumo

A aplicação do Método Tradicionalista se consolida como uma prática mecanicista, onde os recursos holísticos pouco são considerados como alicerces de uma formação social para além do contexto educacional. Já existem escores que indicam o nível de racionalização, aprendizagem e pensamento crítico na relação da tríade que envolve o sistema básico de ensino: família, educando e equipe pedagógica/escolar. Assim, ressaltando a importância de entender o significado de um ensino-aprendizado integracionista, o artigo propõe uma reflexão acerca dos tipos de manifestações psicossociais vivenciadas por um indivíduo que experienciou seus estudos de base a partir do Método Tradicional de Ensino e qual o nível de criticidade alcançado em comparação ao modelo moderno de integração educacional.

Biografia do Autor

Iana Sara Silva de Alencar, UNIVERSIDAD DE CIENCIAS  EMPRESARIALES Y SOCIALES (UCES)

Doutoranda em Psicologia Clínica pela UNIVERSIDAD DE CIENCIAS  EMPRESARIALES Y SOCIALES (UCES) / Buenos Aires, Argentina. Psicóloga pela Faculdade da Amazônia Ocidental (FAAO). Especialista em Docência do Ensino Superior com ênfase em Gestão Escolar (FAAO). Atuação psicossocial (intervenções individuais, familiar, grupal e comunitária; fortalecimento de vínculos socioafetivos e construção de práticas coletivas).Gestalt-terapeuta (CCGT - Belém). Docente (ESTÁCIO UNIMETA – Centro Universitário).  E-mail: iana.sara.psy@gmail.com.

Downloads

Publicado

30/06/2021

Como Citar

Alencar, I. S. S. de . (2021). A APLICAÇÃO DA METODOLOGIA TRADICIONALISTA NO ENSINO DE BASE E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA A FORMAÇÃO CRÍTICA E PSICOSSOCIAL. Revista Ibero-Americana De Humanidades, Ciências E Educação, 7(6), 659–668. https://doi.org/10.51891/rease.v7i6.1422