O REINO PORTUGUÊS “PARA A MAIOR GLÓRIA DE DEUS”: PENSAMENTO POLÍTICO NAS CARTAS DE PADRE ANTÓNIO VIEIRA

Autores

  • José Rubens de Souza Cardoso SEEDF
  • Marcelo Tadeu Santos UniCEUB

DOI:

https://doi.org/10.51891/rease.v7i4.981

Palavras-chave:

Antonio Vieira. Antigo Regime. Monarquia portuguesa. Religiosidade católica. Poder.

Resumo

A pesquisa proposta busca compreender as relações entre a Igreja Católica e a Monarquia durante o Antigo Regime português, partindo da análise de cartas escritas pelo religioso Padre Antônio Vieira (1608 - 1697) que foram destinadas aos reis de Portugal no século XVII. Isso posto, buscamos descobrir o que o monarca deveria fazer para conduzir melhor sua vida e a de seus súditos, assim nos interessou o que o jesuíta pensava do poder e do estado. O itinerário utilizado consiste na intenção de buscar nas palavras de Vieira, o pensamento político no qual ele, profundamente influenciado com a ideia da firmação de um Estado católico e evangelizador, se posiciona diante de um período de relações de poder em constante movimento. Nessa trilha, utilizamos como referencial metodológico, as noções de análise do discurso de Eni Orlandi e do paradigma indiciário de Carlos Ginzburg.

 

Biografia do Autor

José Rubens de Souza Cardoso, SEEDF

Graduado em História pelo Centro Universitário de Brasília (UniCEUB). Licenciado em Pedagogia pelo Instituto de Educação Superior de Brasília (IESB). Pós-graduado em Educação, Política e Sociedade pela Faculdade de São Vicente. Atualmente é professor de Educação Básica da Secretaria de Educação do Distrito Federal (SEEDF). Email: rubenshistoriador7@gmail.com.

Marcelo Tadeu Santos, UniCEUB

Mestre em História pela Universidade de Brasília -UNB e professor do curso de Direito do UniCEUB.

Downloads

Publicado

30/04/2021

Como Citar

Cardoso, J. R. de S. ., & Santos, M. T. . (2021). O REINO PORTUGUÊS “PARA A MAIOR GLÓRIA DE DEUS”: PENSAMENTO POLÍTICO NAS CARTAS DE PADRE ANTÓNIO VIEIRA . Revista Ibero-Americana De Humanidades, Ciências E Educação, 7(4), 485–512. https://doi.org/10.51891/rease.v7i4.981