A RELAÇÃO DA MÚSICA COM O DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR

Autores

  • ROSIMEIRE BATISTA SAMPAIO TABORDA Faculdade Latino-Americana de Educação
  • FABIO JOSE ANTONIO DA SILVA

DOI:

https://doi.org/10.51891/rease.v7i4.974

Palavras-chave:

Música. Movimento. Aprendizagem. Infância.

Resumo

A psicomotricidade é uma área de estudo que trabalha estratégias que estimulam e desenvolvem a parte física-motora de um indivíduo através de sua interação com o ambiente, amplia o conhecimento e a consciência sobre movimentos, capacidades ou possibilidades, que serão aprimoradas por meio de estímulos. A relação da psicomotricidade com a música traz inúmeros benefícios na infância. O objetivo do presente trabalho visa compreender a contribuição da música e sua relação com a psicomotricidade, proporcionando uma reflexão sobre a interação da música no desenvolvimento psicomotor e suas contribuições para o desenvolvimento infantil. Para o desenvolvimento do tema foi realizado uma revisão de literatura disponíveis em periódicos e artigos online, que abordaram temas, conceitos, casos, estudos relevantes para fundamentar o presente trabalho. Com o desenvolvimento do artigo, espera-se perceber a música como um instrumento que estimule de forma significativa o amadurecimento e desenvolvimento de movimentos e habilidades físicas na criança.

 

 

 

Biografia do Autor

ROSIMEIRE BATISTA SAMPAIO TABORDA, Faculdade Latino-Americana de Educação

Graduação em Pedagogia Flated - Faculdade Latino-Americana de Educação. Pós-graduação em Psicopedagogia – FATEC. Pós-graduação em Psicomotricista – FATEC. Pós-graduação em TGD – FATEC. Professora da Escola Adventista de Apucarana/PR.

FABIO JOSE ANTONIO DA SILVA

Profissional de Educação Física. Mestre em Educação. Doutorando em Educação Física. CV: http://lattes.cnpq.br/3576574791707183.

Downloads

Publicado

30/04/2021

Como Citar

TABORDA, R. B. S. ., & SILVA, F. J. A. D. . (2021). A RELAÇÃO DA MÚSICA COM O DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR. Revista Ibero-Americana De Humanidades, Ciências E Educação, 7(4), 373–385. https://doi.org/10.51891/rease.v7i4.974