EUTANÁSIA: UM TABU SOCIOJURÍDICO

Autores

  • Luiza Fernanda Gama Bastos Universidade Federal do Amazonas– UFAM
  • Pedro Bentes Baranda Bisneto Universidade Federal do Amazonas– UFAM
  • Hamilton Gomes de Santana Neto Santana Neto Universidade Federal do Amazonas– UFAM

DOI:

https://doi.org/10.51891/rease.v8i7.6386

Palavras-chave:

Eutanásia. Direito à Vida. Dignidade da Pessoa Humana.

Resumo

Esse artigo buscou, a partir do levantamento bibliográfico, enunciar a necessidade de as decisões que possam ser tomadas quanto à Eutanásia, sendo jurídica ou legislativa, estejam harmonizadas com os direitos e garantias fundamentais elencados na Carta Magna brasileira, em destaque o princípio da dignidade da pessoa humana e a inviolabilidade do Direito à Vida. Para isso, faz-se necessário que a Eutanásia receber dos cientistas jurídicos uma maior atenção a fim de que seus relevantes impactos na sociedade brasileira sejam pesquisados.

Biografia do Autor

Luiza Fernanda Gama Bastos, Universidade Federal do Amazonas– UFAM

Acadêmica da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Amazonas –FD/UFAM. E-mail: luiza8bastos@gmail.com

Pedro Bentes Baranda Bisneto, Universidade Federal do Amazonas– UFAM

Acadêmico da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Amazonas –FD/UFAM. E-mail: Pedrobisneto445@gmail.com

Hamilton Gomes de Santana Neto Santana Neto, Universidade Federal do Amazonas– UFAM

Professor de Direito Processual Civil na Faculdade de Direito da UFAM. Mestrando em Direito pela Universidade Federal do Amazonas –UFAM. Especialista em Direito Processual pela Escola Superior da Magistratura do Amazonas –ESMAM. Especialista em Direitos Humanos pela Escola Superior de Advocacia  do  Amazonas –ESA –OAB/AM.  Assessor  Jurídico  de  Desembargador  do  TJ/AM. E-mail: hgsneto1994@gmail.com.

Downloads

Publicado

30/07/2022

Como Citar

Bastos, L. F. G. ., Baranda Bisneto, P. B. ., & Santana Neto, H. G. de S. N. (2022). EUTANÁSIA: UM TABU SOCIOJURÍDICO. Revista Ibero-Americana De Humanidades, Ciências E Educação, 8(7), 960–971. https://doi.org/10.51891/rease.v8i7.6386