IMPORTÂNCIA DO USO DO FILTRO SOLAR NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DE PELE

Autores

  • Karolyne Silva dos Santos Universidade do Extremo Sul Catarinense- UNESC
  • Cecília Guglielmi Inácio Universidade do Extremo Sul Catarinense- UNESC

DOI:

https://doi.org/10.51891/rease.v8i7.6238

Palavras-chave:

Filtro solar. Câncer de pele. Prevenção.

Resumo

Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) revelam que o índice ultravioleta incidido sobre o país é extremamente alto, o que seria suficiente para motivar a população brasileira ao uso de protetores solares e barreiras físicas contra o sol. Porém, é observada uma grande dificuldade por parte dos brasileiros em aderir ao uso frequente dessas medidas preventivas contra esses dois grandes riscos. Esta pesquisa tem como objetivo fazer uma revisão narrativa de literatura sobre a importância do uso do filtro solar na prevenção do câncer de pele. O processo de coleta do material foi realizado de forma não sistemática no período de março a maio de 2021. Foram pesquisadas bases de dados científicas, tais como: Scielo, Medline, Lilacs ePubmed. O banco de dados foi sendo complementado com materiais indicados por especialistas na temática. Com base no material pesquisado, verifica-se que é necessário que ocorra uma mudança de hábitos por partes das pessoas, que é um processo lento, mas que deve começar aos poucos com a conscientização e participação de todos.

Biografia do Autor

Karolyne Silva dos Santos, Universidade do Extremo Sul Catarinense- UNESC

Graduanda do Curso de Fisioterapia da Universidade do Extremo Sul Catarinense – UNESC.

Cecília Guglielmi Inácio, Universidade do Extremo Sul Catarinense- UNESC

Professora do Curso de Fisioterapia da Universidade do Extremo Sul Catarinense – UNESC. Fisioterapeuta Especialista Dermato Funcional.

Downloads

Publicado

30/07/2022

Como Citar

Santos, K. S. dos ., & Inácio, C. G. . (2022). IMPORTÂNCIA DO USO DO FILTRO SOLAR NA PREVENÇÃO DO CÂNCER DE PELE . Revista Ibero-Americana De Humanidades, Ciências E Educação, 8(7), 884–901. https://doi.org/10.51891/rease.v8i7.6238