FINITUDE: A MORTE, O MORRER E ASSISTENCIA A PACIENTES ONCOLÓGICOS TERMINAIS NA VISÃO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

Autores

  • Joel Luís Heisler Estácio de Macapá
  • Maria das Graças Teles Martins UNIFESP

DOI:

https://doi.org/10.51891/rease.v8i5.5392

Palavras-chave:

Finitude. Morte. Perda. Cuidados Paliativos e oncologia. Profissionais de Saúde. Psicologia Hospitalar.

Resumo

INTRODUÇÃO: A presença de uma doença terminal que leva pacientes a necessitarem de intervenções e cuidados especiais, impõe sobre os profissionais de saúde sentimentos complexos e ambivalentes. Perceber a finitude do ciclo vital do outro, encarar essa possibilidade, os faz vivenciar a dor, o luto e projetar esta experiência na própria vida. OBJETIVO: Conhecer a percepção sobre a morte e o morrer de profissionais de saúde que lidam diretamente com pacientes oncológicos em estado terminal. METODOLOGIA: Trata-se de uma pesquisa de campo, exploratória, quanti-qualitativa realizada junto a profissionais da saúde de uma unidade de alta complexidade em oncologia da rede estadual de saúde do Amapá. A amostragem foi de 10 profissionais de diferentes categorias, entre profissionais de nível médio e superior, englobando técnicos de enfermagem, enfermeiros, assistentes sociais, médicos e psicólogos. Como instrumentos de pesquisa, foi utilizado um questionário semiestruturado composto por três partes. A primeira parte conteve dados sociodemográficos, a segunda com algumas afirmações acerca do tema e a terceira composta por 12 perguntas subjetivas com o intuito de trazer reflexões sobre o tema proposto. RESULTADOS: Apreendeu-se que para a maioria dos profissionais a morte é um aspecto natural da vida; alívio do sofrimento e união com Deus. Para os profissionais que vivenciam esta realidade diariamente, a percepção da finitude e seus desdobramentos acerca da morte e morrer, moldaram-se no decorrer do tempo e na prática; para eles, muito pouco foi estudado ou discutido durante sua formação profissional. Para outros, a percepção sobre a finitude/morte é multifatorial; depende da forma como os pacientes reagem e aderem as possibilidades de tratamento propostas. A aceitação é mais tranquila em pacientes idosos que já vem há mais tempo em tratamento do que em relação aos mais jovens. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Quando o paciente recebe o diagnóstico de câncer, seu pensamento cria um turbilhão de sensações e sentimentos que podem interferir no seu processo do tratamento. A vivência da finitude/morte pelos profissionais de saúde, permitiu a ressignificação de conceitos prévios, auxiliando no manejo das situações diárias vivenciadas na sua prática ou mesmo no processo de luto que acompanha e perpassa seu cotidiano. Conhecer a realidade de uma unidade de oncologia em que, diariamente, se lida com a finitude, possibilitou ampliar o olhar, refletir sobre a vida e a morte e nos transforma de uma maneira ímpar e significativa. A experiência vivenciada neste estudo, contribui para entender diferentes aspectos subjetivos envolvidos na atuação com pacientes terminais, faz perceber a necessidade de ampliar estudos e debates acerca da finitude/morte que permeia a prática de profissionais de saúde nos contextos de sua atuação.

Biografia do Autor

Joel Luís Heisler, Estácio de Macapá

 

Psicólogo (pela Estácio de Macapá); Esp. Gestão Empresarial (FGV-RJ); Esp. Educação Superior (IESAP-AP); Esp. Anatomia Aplicada a Imaginologia Médica (META-AP); Espcializando em Tanatologia (RNT-FATECPR); Psicólogo voluntário AMBACS-(UNIFAP); Tecnólogo em Radiologia (HE) e (INNEURO-AP).  E-mail: joelheisler@yahoo.com.br

Maria das Graças Teles Martins, UNIFESP

Professora Psicóloga; Mestre em saúde coletiva (UNIFESP); Mestre em Ciências da Educação (ULHT-Portugal); Esp. em Terapia Cognitivo Comportamental (IFAP); Esp. em Sexualidade Humana (UFPB); Esp. em Psicologia da saúde, Desenvolvimento e hospitalização (UFRN); supervisora clínica, docente/ Estácio de Macapá (AP). E-mail: mgtmartins@gmail.com.

Downloads

Publicado

31/05/2022

Como Citar

Heisler, J. L. ., & Martins, M. das G. T. . (2022). FINITUDE: A MORTE, O MORRER E ASSISTENCIA A PACIENTES ONCOLÓGICOS TERMINAIS NA VISÃO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE. Revista Ibero-Americana De Humanidades, Ciências E Educação, 8(5), 653–674. https://doi.org/10.51891/rease.v8i5.5392

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.