AS OBRAS DE ARTES: SOCIEDADE BRASILEIRA, RACISMO E DESIGUALDADE SOCIAL

Autores

  • Robson Gonçalves Centro Universitário Internacional - UNINTER

DOI:

https://doi.org/10.51891/rease.v8i7.6323

Palavras-chave:

Artes. Brasileira. Racismo. Desigualdade. Social.

Resumo

Na sociedade Brasileira, embora com significativas mudanças em como o individuo negro e seu corpo e idealisado, os Homens bestialisados e estrermamente fortes ou exoticas, mas não dotados de intelecto avançado. As mulheres negras reduzidas a dois extremos, cabelos ruins e feias ou exóticas. A criticar a arte racistas do XIX - XX, e para isso é fundamental estudarmos as Obras de Artes Brasileiras, pois se faz necessário problematizar, como a ideologia racista no país foi construída. Na conjuntura contemporânea Brasileira, como a estética da arte foi formada e como ela é hoje, é um tema transversal pois nos mostra como o racismo é estrutural. O uso de imagens tão emblemáticas quanto a pintura de Pedro Américo “O grito do Ipiranga”,  Modesto Brocos “A Redenção de Cam” e Cândido Portinari “ Café”  é de extremo valor pedagógico. Na contemporaneidade, se faz necessário ensinar e problematizar como nossa Nação foi criada e como participamos nos rumos dela. O estudo, analise e crítica a essas pinturas “ O grito do Ipiranga”, “A Redenção de Cam” e “Café” contribui para entendermos como o racismo estrutural foi idealizado e vemos os vestígios ainda na contemporanidade, na nossa paisagem  em nossas falas e como tratamos o corpo do individuo negro, e como o estado Brasileiro e suas política econômica e de segurança pública anda tem espiração nessas pinturas dos séculos XIX – XX.

Biografia do Autor

Robson Gonçalves, Centro Universitário Internacional - UNINTER

Pós-graduação História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena pelo Centro Universitário Internacional - UNINTER. Graduação em História. Unir.http://lattes.cnpq.br/3647692279679641. E-mail: robsonpvhtj@gmail.com.

Downloads

Publicado

30/07/2022

Como Citar

Gonçalves, R. . (2022). AS OBRAS DE ARTES: SOCIEDADE BRASILEIRA, RACISMO E DESIGUALDADE SOCIAL. Revista Ibero-Americana De Humanidades, Ciências E Educação, 8(7), 310–319. https://doi.org/10.51891/rease.v8i7.6323