PATOLOGIAS DE PAVIMENTOS ASFÁLTICOS E SUAS RECUPERAÇÕES – ESTUDO DA AVENIDA RANUFO PAES DE BARROS

Autores

  • Lídia Priscila Carvalho Ferreira Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Fernanda Ana Maria dos Santos Neta Universidade do Estado de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.51891/rease.v8i5.5209

Palavras-chave:

Pavimento asfáltico. Patologia. Reparo.

Resumo

O presente artigo vem nos esclarecer acerca de alguns aspectos técnicos e patológicos que podem interferir na qualidade do pavimento asfáltico da Avenida Ranufo Paes de Barros. A falta de um sistema de drenagem e manutenção adequada da via, a presença de intemperes a qual é submetida somada ao tráfego constante dos universitários, visitantes que desejam ingressar na universidade e dos colaboradores que trabalham na universidade, além da única pista de pouso de pequenas aeronaves da cidade a qual a avenida dá acesso fez com houvesse uma restauração recentemente. Após dois anos de reabilitação da via são encontrados inúmeros problemas, dentre eles: desagregação do revestimento asfáltico, falta de sistema de drenagem adequado entre outros, colocando em risco o deslocamento de todos que dela dependem.  Se esses problemas não forem adequadamente solucionados e restaurados ou recuperados poderão causar problemas maiores onde somente uma reconstrução completa dessa via resolverá as patologias e danos presentes.

Biografia do Autor

Lídia Priscila Carvalho Ferreira, Universidade do Estado de Mato Grosso

Estudante do Curso de Engenharia Civil - Universidade do Estado de Mato Grosso – Unemat. E-mail: lidiapriscilanx@gmail.com.

Fernanda Ana Maria dos Santos Neta, Universidade do Estado de Mato Grosso

Estudante do Curso de Engenharia Civil - Universidade do Estado de Mato Grosso – Unemat. E-mail: fernandaalexander_@live.com.

Downloads

Publicado

31/05/2022

Como Citar

Ferreira, L. P. C. ., & Santos Neta, F. A. M. dos . (2022). PATOLOGIAS DE PAVIMENTOS ASFÁLTICOS E SUAS RECUPERAÇÕES – ESTUDO DA AVENIDA RANUFO PAES DE BARROS. Revista Ibero-Americana De Humanidades, Ciências E Educação, 8(5), 318–328. https://doi.org/10.51891/rease.v8i5.5209