ANÁLISE DO CONSUMO ALIMENTAR DE PROFESSORES E A PREVALÊNCIA DE ALTERAÇÕES INTESTINAIS NO CONTEXTO DA PANDEMIA PELO COVID-19

Autores

  • Bianca de Aguiar Cabral Centro Universitário Senac Santo Amaro
  • Irene Coutinho de Macedo Centro Universitário Senac Santo Amaro
  • Lis Proença Vieira Centro Universitário Senac Santo Amaro

DOI:

https://doi.org/10.51891/rease.v7i12.3582

Palavras-chave:

1. Docentes 2. Constipação Intestinal 3. Consumo alimentar.

Resumo

Introdução: A pandemia pelo covid-19 implicou em alterações no estilo de vida da população, especialmente entre os professores, cuja rotina foi impactada por novas metodologias de trabalho. Este cenário pode favorecer a mudanças no padrão de consumo alimentar e alterações no funcionamento intestinal. Objetivo: Identificar alterações no funcionamento intestinal e o consumo alimentar de professores no período de execução de trabalho remoto durante a pandemia. Material e métodos: Estudo transversal com professores convidados a responderem um questionário online a partir de convites via WhatsApp® e redes sociais, que abordaram questões sobre os marcadores de alimentação saudável e funcionamento intestinal, tais como frequência e consistência das fezes. Resultados: Participaram do estudo 43 professores, média de idade de 46 anos, 88,4% do sexo feminino, 72,1% atuando no ensino fundamental e todos da rede pública. Foi observado baixo consumo de água 86,04%; de feijão 81,39%; de alimentos industrializados 76,74% e de hortaliças 51,16%. A maioria da apresentou um consumo adequado de frutas (53,48%) e elevado de doces (72,09%). Quanto às alterações intestinais, 7% mantiveram o quadro prévio de constipação intestinal, 4,65% apresentaram risco de desenvolvê-lo e 7% apresentaram alterações na frequência e/ou consistência das fezes.  Apesar do número reduzido de casos, a presença de constipação foi associada com o baixo consumo de feijão e elevado consumo de alimentos industrializados (p<0,05). Conclusão:  Os professores estudados apresentaram baixa prevalência de constipação e de alterações intestinais e a maioria apresentou consumo adequado de frutas e baixo consumo de industrializados, mas ingestão inadequada, principalmente, de água, feijão e doces.

Biografia do Autor

Bianca de Aguiar Cabral, Centro Universitário Senac Santo Amaro

Bacharelado em Nutrição com bolsa de iniciação científica pelo Centro Universitário Senac Santo Amaro. São Paulo, SP, Brasil. E-mail: biancadeaguiarcabral@yahoo.com.br

Irene Coutinho de Macedo, Centro Universitário Senac Santo Amaro

Coordenadora do Bacharelado em Nutrição do Centro Universitário Senac Santo Amaro. São Paulo, SP, Brasil. Mestre em Nutrição Humana Aplicada pela Universidade de São Paulo. E-mail: irene.cmacedo@sp.senac.br.

Lis Proença Vieira, Centro Universitário Senac Santo Amaro

Docente do Bacharelado em Nutrição do Centro Universitário Senac Santo Amaro. São Paulo, SP, Brasil. Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo. E-mail: lis.pvieira@sp.senac.br

Downloads

Publicado

30/12/2021

Como Citar

Cabral, B. de A. ., Macedo, I. C. de ., & Vieira, L. P. . (2021). ANÁLISE DO CONSUMO ALIMENTAR DE PROFESSORES E A PREVALÊNCIA DE ALTERAÇÕES INTESTINAIS NO CONTEXTO DA PANDEMIA PELO COVID-19. Revista Ibero-Americana De Humanidades, Ciências E Educação, 7(12), 1404–1415. https://doi.org/10.51891/rease.v7i12.3582