JUSTIFICATIVAS DA IGREJA CATÓLICA PARA O ESCRAVAGISMO: NO BRASIL COLÔNIA

Autores

  • Lediane Pereira Ramos Universidade do Estado de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.51891/rease.v7i9.2257

Palavras-chave:

Igreja Católica. Escravidão. justificativas.

Resumo

Esta pesquisa bibliográfica, realizada através de fontes retiradas de artigos, livros, documentos da época colonial no país, vem debater acerca da relação direta da Igreja Católica do Brasil Colônia com o regime escravocrata dos africanos presentes naquela época, onde há de se demonstrar algumas justificativas bíblicas dadas pelos religiosos da época para que houvesse a permissão religiosa, o apoio financeiro e o incentivo por parte da mesma para que se mantivesse o tráfico e o trabalho escravo por quase quatro séculos em solo brasileiro. Objetivando demonstrar quais foram as suas contribuições para que o regime de escravidão brasileira alcançasse tais patamares no que se referiu ao contexto de escravização de homens, mulheres e crianças.

Biografia do Autor

Lediane Pereira Ramos, Universidade do Estado de Mato Grosso

Licenciatura plena em história/unemat Graduada em Licenciatura Plena em História pela Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT, 2018). Professora efetiva na Secretaria de Estado e Educação de Mato Grosso (SEDUC) desde 2018, atuando na Educação Básica no Ensino Fundamental e Médio. Possuo experiência em docência atuando principalmente na Educação de Jovens e Adultos. Ex-bolsista do CNPQ no Programa Institucional de Bolsas Iniciação à Docência da CAPES/UNEMAT (2014-2018). Possuo experiência na Educação Popular e Movimentos Sociais. Especialista em Docência do Ensino Superior e Teologia pela faculdade ÚNICA. Tutora acadêmica. Mestranda em Educação pela Universidade Federal de Rondonópolis – UFRE -mail: leidianemaisa@hotmail.com.

Downloads

Publicado

30/09/2021

Como Citar

Ramos, L. P. . (2021). JUSTIFICATIVAS DA IGREJA CATÓLICA PARA O ESCRAVAGISMO: NO BRASIL COLÔNIA. Revista Ibero-Americana De Humanidades, Ciências E Educação, 7(9), 604–623. https://doi.org/10.51891/rease.v7i9.2257