O FEMINISMO NEGRO DESEMPENHANDO UM PAPEL POLÍTICO NA REEDUCAÇÃO BRASILEIRA

Autores

  • Laura Maria Araujo Dias Faculdades Integradas Regionais de Avaré
  • Natália Cristina Sganzella de Araujo Faculdades Integradas Regionais de Avaré

DOI:

https://doi.org/10.51891/rease.v7i9.2135

Palavras-chave:

Feminismo Negro. Interseccionalidade. Mulheres Intelectuais Negras.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar a especificidade do feminismo negro no Brasil, a partir do final de 1970, em uma perspectiva interseccional. Mostrando como o movimento feminista negro se emancipou no processo político da nossa sociedade, construindo a importância da questão étnico-racial para resgatar os direitos humanos de mulheres negras que eram negados. Destacando intelectuais como:  Lélia Gonzalez (1960), Aparecida Sueli Carneiro (1980), Nubia Moreira (2007) e Djamila Ribeiro (2018), que foram essenciais para desenvolver a historiografia do feminismo negro no Brasil e o engajamento crítico social, demonstrando como as mulheres negras eram lidas socialmente, de forma preconceituosa, marginalizada transgredindo a incapacidade dela não ser  vista como sujeito político.

Biografia do Autor

Laura Maria Araujo Dias, Faculdades Integradas Regionais de Avaré

Estudante do curso de Licenciatura em História nas Faculdades Integradas Regionais de Avaré (FIRA).

Natália Cristina Sganzella de Araujo, Faculdades Integradas Regionais de Avaré

Orientadora e professora no curso de Licenciatura em História nas Faculdades Integradas Regionais de Avaré (FIRA).

Downloads

Publicado

30/09/2021

Como Citar

Dias, L. M. A. ., & Araujo, N. C. S. de . (2021). O FEMINISMO NEGRO DESEMPENHANDO UM PAPEL POLÍTICO NA REEDUCAÇÃO BRASILEIRA. Revista Ibero-Americana De Humanidades, Ciências E Educação, 7(9), 131–140. https://doi.org/10.51891/rease.v7i9.2135