MIGRAÇÃO DE ALUNOS ADOLESCENTES "REPETENTES", REPROVADOS OU MODERADAMENTE DEFASADOS PARA O EJA

Autores

  • Josenice Sena Rocchigiani Matos Universidade Católica de Salvador-BA

DOI:

https://doi.org/10.51891/rease.v7i9.2133

Palavras-chave:

EJA. Educação de Jovens e Adultos. Migração de alunos repetentes e/ou reprovados. defasagem escolar. Juvenização.

Resumo

O presente artigo é fruto de um projeto de pesquisa para tese de doutorado, apresentado na forma de dissertação com o propósito de fazer uma reflexão acerca da presença de adolescentes na Educação de Jovens e Adultos (EJA), Nesse sentido destacamos a diferença de perfil e objetivo dos alunos da EJA em escolas públicas e nos Cursos Supletivos particulares, pois trata-se de dois universos bastante distintos; fazendo uma distinção meramente didática entre Supletivo (que aqui será usado para a modalidade ensino particular) e EJA (que usaremos especificamente para o ensino público gratuito), para distinguir o perfil do público dessa modalidade de ensino no âmbito empresarial e governamental. A metodologia adotada no estudo foi a de revisão literária, utilizando como fontes artigos, monografias, dissertações e bases de dados na Internet, como Scielo, Google Acadêmico, etc., utilizando as palavras- chave: "Adolescente + EJA", tendo como critério de busca os textos publicados no idioma Português Brasileiro, preferencialmente no período de 2010 a 2020; também recorremos a entrevistas, palestras e matérias em vídeo na plataforma Youtube (www.Youtube.com), em especial de instituições de ensino/pesquisa, jornalísticas ou governamentais. Os dados obtidos foram avaliados por meio da análise do conteúdo, com o intuito de se levantar elementos de reflexão acerca da problemática estudada nesta pesquisa. Os resultados desta investigação indicam, como fatores que levam à presença do público adolescente na EJA: 1) indicação da administração da escola devido à atraso na faixa etária, indisciplina, frequência irregular etc.; 2) Inexistência do ensino regular noturno para alunos que trabalham (aluno que trabalha de dia e estuda à noite); 3) gravidez precoce. E para a presença do público adolescente no Supletivo: 1) Dificuldade de aprendizagem dos conteúdos (especialmente nos anos finais do ensino médio), levando a repetência; 2) Evitar o bullying dos colegas mais adiantados; 3) Acelerar a obtenção da graduação por necessidades trabalhistas, prestar concurso, ENEM, Vestibular etc. É do interesse dessa pesquisa também apontar alternativas para evitar a migração desse aluno adolescente do ensino regular com leve defasagem para a modalidade EJA, levantando questões acerca da dinâmica na qual o problema ocorre.

Biografia do Autor

Josenice Sena Rocchigiani Matos, Universidade Católica de Salvador-BA

graduada em Filosofia pela Universidade Católica de Salvador-Ba (UCSAL - 1999); Especializada em Educação do Ensino Superior com Ênfase em Tecnologias Educacionais, pela Faculdade Batista Brasileira (FBB); mestre em Educação e Ciências Sociais, pela Universidad del Salvador (USAL, Buenos Aires, Argentina, 2018), com a dissertação "ACCESSO Y PERMANENCIA DE LOS ESTUDIANTES DE EJA EN BRASIL: DESAFIOS Y POSSIBILIDADES"; e doctoranda en Humanidad y Artes, con Ênfase em Educacion - Universidad Nacional de Rosario (UNR, Rosário, Argentina, em curso). ORCID: https://orcid.org/0000-0003-2173-9368.E-mail: josenice_sena@yahoo.com.br

Downloads

Publicado

30/09/2021

Como Citar

Matos, J. S. R. . . (2021). MIGRAÇÃO DE ALUNOS ADOLESCENTES "REPETENTES", REPROVADOS OU MODERADAMENTE DEFASADOS PARA O EJA. Revista Ibero-Americana De Humanidades, Ciências E Educação, 7(9), 141–150. https://doi.org/10.51891/rease.v7i9.2133