COMPORTAMENTO SUICIDA EM CRIANÇAS VÍTIMAS DO BULLYING NO CONTEXTO ESCOLAR

Autores

  • Kesia Raisa Correia da Silva aculdade de Ciências Humanas de Olinda

DOI:

https://doi.org/10.51891/rease.v7i3.784

Palavras-chave:

Bullying, adolescência, suicídio.

Resumo

Esse trabalho de conclusão de curso traz como objetivo fazer um alerta para os casos de comportamento suicida que vem ocorrendo em nossa sociedade. Desse modo foram realizadas pesquisas que mostraram que uma das causas de suicídio na infância e na adolescência é decorrente do comportamento de bullying. A primeira constatação sobre o caso de bullying relacionado com o suicídio foi feito na Noruega quando ocorreu o suicídio de três crianças que sofriam constantemente bullying na escola. Decorrente disso foi iniciado estudos sobre o tema que se tornaram de grande importância para o entendimento sobre os casos de bullying no contexto escolar. A partir disso a pesquisa traz vários atores que tiveram grande contribuição nos estudos sobre bullying, entre eles estão: Fante, Freire, Gaiu, Maia, lisboa, Malta e muitos outros que trouxeram inúmeras contribuições para o entendimento sobre o bullying. Com isso a pesquisa traz um estudo de caso baseado em uma reportagem que ocorreu no Espírito Santo, onde uma criança cometeu suicídio após ser vítima de bullying na escola que estudava. O estudo de caso é uma das formas que foram utilizadas na pesquisa para mostrar as consequências que o bullying pode trazer para a vida do indivíduo, dentre eles também se pode observar outras consequências que o bullying pode causar com problemas psíquicos e emocionais que pode perdurar por toda a vida do indivíduo.

Biografia do Autor

Kesia Raisa Correia da Silva, aculdade de Ciências Humanas de Olinda

Bacharel em Psicologia  pela Faculdade de Ciências Humanas de Olinda- PE. E-mail: kesinha.ray@gmail.com

Downloads

Publicado

01/04/2021

Como Citar

Silva, K. R. C. da. (2021). COMPORTAMENTO SUICIDA EM CRIANÇAS VÍTIMAS DO BULLYING NO CONTEXTO ESCOLAR. Revista Ibero-Americana De Humanidades, Ciências E Educação, 7(3), 373–398. https://doi.org/10.51891/rease.v7i3.784