TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA ESQUIZOFRENIA: UMA REVISÃO DAS ESTRATÉGIAS ATUAIS

Autores

  • Silvio Vieira da Silva Faculdade de Ciências Médicas de Ipatinga
  • Ana Clara Santos de Oliveira
  • Melissa Magalhães Silva Gualberto Centro Universitário de Caratinga – UNEC
  • Darlan Rebolças Gama Ferreira Faculdade de Minas
  • Camila Araújo Marques Universidade Nilton Lins

DOI:

https://doi.org/10.51891/rease.v10i6.14472

Palavras-chave:

Esquizofrenia. Tratamento farmacológico. Antipsicóticos. Psicofarmacologia e terapia medicamentosa.

Resumo

A esquizofrenia é uma doença psiquiátrica complexa e debilitante, caracterizada por uma variedade de sintomas, incluindo alucinações, delírios, pensamento desorganizado e déficits cognitivos. O tratamento farmacológico é uma parte fundamental do manejo dessa condição, visando aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida dos pacientes. Uma revisão abrangente das estratégias atuais de tratamento farmacológico é crucial para informar os clínicos sobre as melhores práticas e para orientar futuras pesquisas na área. Objetivo: Analisar criticamente os estudos recentes sobre o tratamento farmacológico da esquizofrenia, identificando as intervenções mais eficazes, os principais desafios e lacunas na literatura. Metodologia: A revisão foi realizada seguindo as diretrizes do PRISMA (Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses). As bases de dados utilizadas foram PubMed, Scielo e Web of Science. Os descritores utilizados foram "esquizofrenia", "tratamento farmacológico", "antipsicóticos", "psicofarmacologia" e "terapia medicamentosa". Critérios de inclusão: estudos publicados nos últimos 10 anos, ensaios clínicos randomizados, revisões sistemáticas e meta-análises. Critérios de exclusão: estudos não relacionados ao tratamento farmacológico, relatos de caso e estudos com amostras pequenas ou metodologia inadequada. Resultados: A análise dos estudos revelou uma variedade de intervenções farmacológicas para o tratamento da esquizofrenia, incluindo antipsicóticos típicos e atípicos, bem como terapias adjuvantes. Os principais tópicos abordados incluíram eficácia clínica, tolerabilidade, efeitos colaterais, adesão ao tratamento e abordagens de tratamento de longo prazo. Diversos estudos destacaram a importância da individualização do tratamento, considerando as características específicas de cada paciente. No entanto, desafios persistentes, como a resistência ao tratamento e a gestão dos efeitos colaterais, foram identificados. Conclusão: Esta revisão destaca a diversidade de opções de tratamento farmacológico disponíveis para pacientes com esquizofrenia, enfatizando a importância da abordagem multidisciplinar e personalizada. Identificar as intervenções mais eficazes e compreender os desafios associados ao tratamento são passos cruciais para melhorar os resultados clínicos e a qualidade de vida desses pacientes.

Biografia do Autor

Silvio Vieira da Silva, Faculdade de Ciências Médicas de Ipatinga

Médico Afya Faculdade de Ciências Médicas de Ipatinga - Afya Ipatinga.

Ana Clara Santos de Oliveira

Médica.

Melissa Magalhães Silva Gualberto, Centro Universitário de Caratinga – UNEC

Acadêmica de Medicina. Centro Universitário de Caratinga – UNEC.

Darlan Rebolças Gama Ferreira, Faculdade de Minas

Médico, Faculdade de Minas - bh - FAMINAS-BH.

Camila Araújo Marques, Universidade Nilton Lins

Acadêmica de Medicina, Universidade Nilton Lins – UNL.

Downloads

Publicado

2024-06-06

Como Citar

Silva, S. V. da, Oliveira, A. C. S. de, Gualberto, M. M. S., Ferreira, D. R. G., & Marques, C. A. (2024). TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA ESQUIZOFRENIA: UMA REVISÃO DAS ESTRATÉGIAS ATUAIS. Revista Ibero-Americana De Humanidades, Ciências E Educação, 10(6), 1130–1138. https://doi.org/10.51891/rease.v10i6.14472

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.