Luminescência e absorção óptica de nanofibras dos óxidos de titânio e tungstênio na região do uv-visível

doi.org/10.29327/217514.7.1-2

Autores

  • Luana Góes Soares da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Annelise Kopp Alves Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Palavras-chave:

Luminescência. Nanofibras. Titânio. Tungstênio.

Resumo

A síntese de fibras por electrospinning nos proporciona a obtenção de nanoestruturas unidimensionais com boa flexibilidade, propriedades ópticas, catalíticas, elevada área superficial e porosidade. Podem ser utilizadas em aplicações como: catálises, células solares, células combustíveis, membranas, baterias de hidrogênio, entre outras. Sendo assim, neste trabalho sintetizamos nanofibras de TiO2 e de TiO2/WO3 por electrospinning. Estas nanofibras foram tratadas termicamente entre 650 ºC e 800 ºC, e caracterizadas quanto: a morfologia por microscopia eletrônica de varredura (MEV), fases cristalinas por difração de raios X (DRX), fotoatividade mediante ensaios de degradação de 125 mL de uma solução 20 ppm do corante alaranjado de metila e por colorimetria. Os resultados parciais, apontam a amostra de TiO2/WO3 tratada termicamente à 800 ºC mais efetiva na degradação do corante e na reflexão das diferentes cores, possivelmente devido à existência de uma sincronicidade entre as propriedades químicas e físicas dos óxidos de titânio e tungstênio.

Biografia do Autor

Luana Góes Soares da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Pesquisadora, Drª em Engenharia – área de Concentração: Ciência e Tecnologia dos Materiais
 da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. E-mail: lugoes.soares@gmail.com.

 

Annelise Kopp Alves, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Engenharia na área de concentração Ciência e Tecnologia dos Materiais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. E-mail: annelise.alves@ufrgs.br.

Downloads

Publicado

30/01/2021

Como Citar

Silva, L. G. S. da ., & Alves, . A. K. . (2021). Luminescência e absorção óptica de nanofibras dos óxidos de titânio e tungstênio na região do uv-visível: doi.org/10.29327/217514.7.1-2. Revista Ibero-Americana De Humanidades, Ciências E Educação, 7(1), 10. Recuperado de http://periodicorease.pro.br/rease/article/view/427